Sobrevivente | PGF

Venho relatar o caso do meu irmão R W C. Quadro iniciou com faringite abscedada. Abscessos cervicais múltiplos. Internado na UTI do Hospital (*), onde evoluiu com mediastinitee empiemapleural a direita de segunda fase. Transferido para Santa Casa (*), foiencaminhado ao centro cirúrgico para realização de traqueostomia de emergência com edema importante de laringe dificuldade de manipulação de via aérea e toracotomia com drenagem pleural direita. Reencaminhado a UTI para tratamento clínico, evoluçãoclínica arrastada e quadros de infecções recorrentes, necessitando drenagem cervical ampla para controle e tratamento dos abscessos. Diagnosticado encarceramento pulmonar homolateral, submetido a toracotomia com decorticaçãopulmonar. Reencaminhado a UTI, grave. E devido ao quadro de febre persistente, coleções pleurais, SARA grave, houvenova abordagem cirúrgica, realizada pleurostomia, ressecção parcial de dois arcos costais para controle de infecção. Melhora arrastada, altado CTI e retirada de traqueostomia na enfermaria. Permanece com seqüelaneurológica dos membros inferiores com parecer e medicações específicas. Alta hospitalar no dia 23/05/2018, onde prosseguirá com controle ambulatorial, curativosno tórax da pleurostomiaaté cicatrização. Deverá permanecer com acompanhamento fisioterápico e retorno para controle com cirurgião torácico e neurologista.  Solicitado autorização do paciente, pela equipemédica do hospital, para publicação do caso nas revistas e plataformas médicas, pela raridade do caso e exposição da conduta médica, fatoimportante na boa evolução do paciente .

(*) o nome do Hospital foi apagado por não termos autorização do mesmo para divulgação

Deixe um comentário